Header Ads

Como Curar Nossas Feridas Emocionais


Estamos sempre com pressa, com pressa demais. Tentamos equilibrar nosso estresse e ansiedade, que por sua vez se alimentam do grande número de responsabilidades e pressões que carregamos sobre nossos ombros.  E assim, com o passar do tempo, nossos fardos aumentam e nem percebemos, e nos esquecemos da importância da cura das feridas.

Tudo isso nos faz desconectar de nossa própria essência, de nossa alma. Uma desconexão que nos afeta negativamente de forma muito adversa. Curar feridas decorrentes dessa desconexão costuma ser muito difícil. Continue lendo para descobrir os melhores tratamentos para sua alma.

Não percebemos que vivemos apenas no piloto automático e esse se tornou nosso modo de vida padrão.  Frequentemente, apenas agimos e reagimos impulsivamente, sem pensar muito nas coisas e sem desfrutar da atividade em si. É assim que chegamos à conclusão de que não há horas suficientes no dia, nem minutos nas horas, e nenhum tempo para nossas almas.

Nós nos empurramos para frente com grande força e vigor, mas deixamos para trás nossa consciência. Não estamos preocupados em nos perder ou perder nossa própria essência. É mais importante (pensamos) chegar primeiro do que fazer melhor. Vivemos em um piloto automático constante que nos impede de nos concentrar no que é realmente importante - nós mesmos.

Não corra, deixe sua alma te alcançar

Antes de explicar mais, vamos fazer uma pequena viagem à África e considerar esta história que tem uma mensagem.

“Há muito, muito tempo, um explorador se aventurou em um dos territórios mais inóspitos da África. Apenas seus carregadores o acompanhavam. Todos eles carregavam um facão para abrir caminho pela vegetação densa. O explorador tinha apenas um objetivo em mente: atravessar a selva rapidamente, custe o que custar.

Se eles cruzassem um rio, teriam que atravessá-lo no menor tempo possível. Se havia uma colina, eles caminhavam mais e mais rápido para não perder um único minuto. No entanto, de repente os carregadores pararam de andar.

O explorador ficou surpreso, pois eles estavam caminhando havia poucas horas.

“Por que vocês pararam? Já estão cansados? Estamos na estrada há poucas horas..”, disse.

Um dos carregadores olhou para ele e respondeu:

“Não, senhor, não estamos cansados. Mas temos nos movido muito rápido e deixamos nossas almas para trás. Agora teremos que esperar que elas nos alcancem novamente. “

Se você se mover muito rápido, deixará sua alma para trás.

Não ignore a dor

Esta é uma bela história africana que reflete o perigo de sermos deixados para trás quando estamos apenas preocupados em chegar rápido a algum lugar. Este se torna nosso único objetivo. Se nos concentrarmos apenas no objetivo, isso pode encurtar o nosso tempo de viagem. No entanto, o tempo que perdemos para o benefício de nossos sentidos será o preço que pagaremos a longo prazo.

Às vezes, vivemos nossas vidas com pressa apenas para tentar ignorar a dor de todas as coisas que nos feriram.  Por mais que tentemos fugir delas e ignorá-las, elas nunca nos deixam e continuam a nos limitar. Achamos que, se os ignorarmos, elas simplesmente desaparecerão. Em muitos casos, pode acontecer, mas em outros essas feridas precisarão de outro tipo de tratamento.

Podemos muito bem desinfetar nossas almas ou tratar as feridas de uma maneira especial. Distinguir um do outro requer inteligência emocional .

Curar feridas precisa de tempo

Por mais que ignoremos nossas feridas emocionais, isso não as impede de deixar sua marca em nosso cérebro. Na verdade, muitas vezes tendemos a arrastar traumas da infância ou outros eventos emocionais importantes que tiveram um impacto em nossas vidas, para a vida adulta. Se não conseguirmos ver o que está acontecendo, ou não pararmos para refletir sobre o que está acontecendo para resolver, não será possível curar as feridas, elas apenas permanecerão abertas.

Todas as nossas experiências negativas deixam uma marca profunda em um nível neurológico e continuarão a sangrar, não importa o quanto tentemos ignorá-las . Ser forte, em muitos casos, não tem nada a ver com ranger os dentes e apenas seguir em frente. Tem mais a ver com estudar o penhasco e encontrar uma maneira de construir uma ponte para nos salvar.

Estamos falando sobre olhar a tristeza bem nos olhos para descobrir o que ela está tentando nos dizer. Ou encontrar uma maneira de usar a energia que vem de nossas emoções negativas,  sem prejudicar ninguém. Também precisamos tentar dar um momento de trégua à nossa  ansiedade  para que ela recupere o pulso normal. Assim vai bater com uma frequência que nos ajudará e nos encorajará, em vez de nos consumir.

O que acontece com nossa alma?

O que acontece com nossa alma quando não refletimos sobre as coisas como deveríamos e continuamos como se nada tivesse acontecido? Bem, se o precipício for muito íngreme, então nosso passo normal não será suficiente para contorná-lo e terminaremos em uma espiral no vazio. Transformamos assim dificuldades que poderíamos ter resolvido rapidamente sozinhos em dificuldades muito sérias, para as quais precisaremos de ajuda e que demandarão tempo para serem resolvidas.

As situações que nos levam aos nossos limites são aquelas com as quais mais podemos aprender. No entanto, se queremos sair delas mais fortes, temos que olhar para dentro de nós e aprender com tudo o que vivemos.

Precisamos aprender a avaliar nossas emoções com inteligência. Todos eles têm uma mensagem para nós e precisamos de inteligência para poder decifrá-la. Nossa atitude deve nos dar a oportunidade de fazê-lo. Do contrário, acabaremos rodeados de emoções que nos farão sentir muito estranhos. Nos perdemos em um mar de responsabilidades. Varremos nossos problemas para baixo desse tapete sem fundo.

Avançar é importante, mas é mais importante ainda não perder o que acontece ao longo do caminho. O tempo é o que usamos para ignorar a dor em nossa alma. E o próprio tempo é o que escapa de nossas feridas abertas. Curar feridas como essas exige amor, em vez de ignorância.


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.