Header Ads

O que o Buda ensinou?


De acordo com alguns dos primeiros textos budistas, depois que o Buda se iluminou, ele não sabia se poderia ensinar a alguém o que havia percebido, porque estava muito além da experiência normal. Mas velhos amigos e conhecidos sabiam que ele havia conquistado algo absolutamente extraordinário e queriam o que ele tinha.

Eventualmente, depois que um número suficiente de pessoas implorou para que ele compartilhasse sua compreensão, ele concordou em ensinar. O que ele poderia transmitir, disse ele, era apenas um punhado de folhas em comparação com a infinitamente vasta floresta de sabedoria inerente ao despertar. Mas simplesmente acreditar no que ele disse não era o ponto, o Buda advertiu. O importante era ter um roteiro para a iluminação. Esse punhado de folhas foi suficiente para fornecer um caminho completo de prática pelo qual qualquer um poderia atingir o mesmo despertar que ele.

O primeiro sermão do Buda foi o cerne de seu ensinamento, conhecido como as quatro nobres verdades. A primeira verdade é que a vida inevitavelmente contém dukkha - sofrimento , dor e insatisfação. Na verdade, a própria vida - o próprio fato de nascer, envelhecer e morrer - é sofrimento, não importa todos os outros tipos ilimitados de estresse e sofrimento experimentados ao longo da vida.

A segunda nobre verdade é que o sofrimento tem uma causa, e a causa é fabricada por nossas próprias mentes. É o desejo da mente e a fixação no ego que nos mantêm presos ao ciclo infinito de nascimento e morte e, portanto, ao sofrimento infinito. Por ignorarmos a causa de nosso sofrimento, procuramos constantemente as fontes erradas de felicidade, nenhuma das quais é duradoura ou confiável.

A terceira nobre verdade é que existe uma saída. Ao apreender a verdadeira causa de dukkha e os meios para seu fim, podemos nos libertar e alcançar a iluminação. A saída não se baseia na crença, porém, mas em nossa própria experiência corporificada de como causamos nosso sofrimento e da verdadeira natureza da realidade.

A quarta nobre verdade é o caminho da prática que leva ao despertar. Isso é conhecido como o nobre caminho óctuplo, um caminho de vida ética, treinamento da mente e cultivo da sabedoria. Quando os fatores do caminho são desenvolvidos e executados simultaneamente, eles podem abrir a porta para a iluminação.

O que Buda quis dizer com sofrimento?

A primeira nobre verdade do Buda é mais frequentemente - mas incorretamente - traduzida como "a vida é sofrimento". Como costuma acontecer, esse pedaço de texto antigo perde muito na tradução.

A palavra pali dukkha, geralmente traduzida como “sofrimento”, tem uma gama de significados mais sutil . Às vezes, é descrito metaforicamente como uma roda que está fora de seu eixo. Uma tradução mais literal da primeira nobre verdade pode ser "a vida não satisfaz".

O Buda ensinou que existem três tipos de dukkha. O primeiro tipo é a dor física e mental dos estresses inevitáveis ​​da vida, como velhice, doença e morte. A segunda é a angústia que sentimos como resultado da impermanência e da mudança, como a dor de não conseguir o que queremos e de perder o que nos é caro. O terceiro tipo de dukkha é um tipo de sofrimento existencial, a angústia de ser humano, de viver uma existência condicionada e estar sujeito ao renascimento.

Na raiz de todos os tipos de dukkha está o desejo ou apego. Passamos a vida nos agarrando ou nos apegando ao que pensamos que nos gratificará e evitando o que não gostamos. A segunda nobre verdade nos diz que esse mesmo apego, apego ou evitação é a fonte de dukkha . Somos como pessoas que se afogam, que buscam algo flutuando para nos salvar e, em seguida, descobrimos que aquilo em que nos agarramos fornece apenas um alívio momentâneo ou uma satisfação temporária. O que desejamos nunca é suficiente e nunca dura.

A terceira nobre verdade nos assegura que existe uma outra maneira de encontrar um fim para o sofrimento, e essa maneira, conforme explicado na quarta nobre verdade, é a prática do nobre caminho óctuplo . À medida que praticamos, desenvolvemos uma felicidade que não depende de objetos externos ou eventos da vida, mas resulta de um estado mental cultivado que não vem e vai conforme as circunstâncias mudam. Até mesmo a dor física se torna menos estressante com a consciência de uma mente cultivada.

Portanto, o ensino das quatro nobres verdades não é que a vida está destinada a ser nada além de sofrimento, mas que os meios para encontrar a libertação do sofrimento estão sempre disponíveis para nós. Nesse sentido, o budismo não é pessimista, como muitos supõem, mas otimista.

Todo conteúdo postado é feito com carinho e dedicação. Se puder, contribua com qualquer valor para a manutenção desse trabalho. Pix: lucianacosta2040@gmail.com.

Gratidão 🙏🙏🙏

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.