Header Ads

Somos turistas em visita à Terra


Somos apenas visitantes neste planeta. Estamos aqui por noventa ou cem anos, no máximo. Durante esse período, devemos tentar fazer algo bom, algo útil com nossas vidas. Se você contribuir para a felicidade de outras pessoas, encontrará o verdadeiro objetivo, o verdadeiro sentido da vida.

- O Dalai Lama

Quanto mais reflito sobre a minha vida, mais acabo tendo a sensação de que sou simplesmente um turista que passa pouco tempo aqui.

No passado, eu era atormentado por uma ansiedade infinita sobre o que deveria fazer com meu tempo aqui. Hoje em dia, está ficando mais fácil viver cada dia com um pouco mais de leveza.

A questão da morte é uma pergunta que está sempre na mente das pessoas. Os seres humanos são únicos no sentido de que temos consciência da finitude de nossa expectativa de vida e, por isso, ficamos arrasados ​​sobre como devemos encarar a vida.

O que devemos fazer conosco?

O que devemos nos esforçar para realizar?

Algum dia teremos a chance de amar verdadeiramente e ser amados?

Perguntas como essas são difíceis para uma mente dominada pela ansiedade da morte.

Há tantas coisas a considerar - tantas variáveis ​​a ponderar - que nos perguntamos como é possível que a vida seja plena.

Mas encontrei um certo alívio nas palavras de professores como o Dalai Lama, Hélio Couto e outros defensores de uma abordagem mais consciente da vida.

O filósofo britânico Alan Watts é uma dessas pessoas, que teve essa mesma ideia de uma maneira única.

O sentido da vida é apenas estar vivo. É tão claro, tão óbvio e tão simples. E, no entanto, todos correm em grande pânico, como se fosse necessário alcançar algo além de si mesmos.

- Alan Watts

Descobri que a prática diária da escrita me ajudou a desacelerar meus pensamentos e reorientar minhas energias para o que é realmente importante.

É por causa desse processo de desaceleração que passei a me sentir cada vez mais como uma estranha para o resto da sociedade. Eu olho para a grande maioria das pessoas envolvidas na agitação frenética do dia a dia da vida moderna e penso comigo mesmo: " Meu Deus, onde tudo deu errado?"

As palavras do Dalai Lama fornecem uma resposta potencial.

É por causa de nosso esforço moderno que esquecemos os ingredientes essenciais da experiência humana: bondade, compaixão e empatia.

Quando você realmente pensa sobre isso, não estamos aqui por muito tempo.

70 a 100 anos pode parecer uma longa duração, mas o Tempo é um sujeito astuto.

Sempre que chegamos a um ponto no futuro, vivenciamos o passado como algo que simplesmente desapareceu, quase como se nunca tivesse existido. Não é como se tivéssemos alguma sensação de um passado “armazenado”, no qual cada momento é tão “longo” quanto parecia quando o estávamos passando.

Além disso, vivemos como se estivéssemos aqui para sempre, totalmente inconscientes do fato de que a vida não oferece garantias - podemos morrer a qualquer momento, ou pior, perder alguém de quem realmente nos importamos.

É importante, então, descobrir maneiras de focar no que é realmente importante em comparação com o que a sociedade nos faz pensar que é importante.

A sociedade - e em particular aquelas com fins lucrativos - nos leva a ser cada vez mais egocêntricos à medida que avançamos pela vida.

Desse modo, tornamo-nos cada vez mais fechados para as necessidades dos outros, quando ironicamente é ajudando os outros a satisfazer suas necessidades que chegamos ao nosso maior senso de realização pessoal.

O que é ainda mais triste é que, se alcançarmos o que aprendemos ser digno dos frutos de nosso trabalho - status, riqueza, acesso sexual e sucesso de todas essas variedades particulares - encontramos, no final de tudo, um ainda ... um vazio persistente nascido do fracasso em florescer nossa verdadeira humanidade, algo que só pode ser alcançado percebendo se todos os outros estão se sentindo como se estivessem se divertindo também.

E assim, me sinto como uma visitante aqui, o que me faz pensar muito sobre como quero passar o resto dos meus dias.

Seres luminosos somos nós, não esta matéria grosseira!

- Yoda para Luke Skywalker em Star Wars Episódio V: O Império Contra-Ataca

Chame-o de Espírito, Consciência, Alma ou apenas uma Coleção Aleatória de Moléculas Orgânicas em Interação, este processo chamado "Minha Vida" é vivenciado como uma profunda sensação de estar junto para a jornada, e que, se houver algum objetivo, é para ajudar os outros a sentirem que a viagem vale a pena também.

Isso é difícil de fazer se permanecermos dominados pelo medo - sempre pensando que nossa vida não valerá a pena, a menos que alcancemos o que parece merecer ser conquistado.

Se pudéssemos avançar rapidamente para nosso leito de morte, o que pensaríamos nesses momentos finais?

Estaríamos preocupados com as leituras digitais de nossas contas bancárias? Quantos ativos estão em nosso nome? Como ficará o mercado de ações no próximo trimestre?

Acho isso duvidoso, para dizer o mínimo.

Não sei o que fazer com isso, mas sei que prefiro cruzar aquele limiar sabendo que fui útil para outros viajantes da Terra durante meu tempo aqui.

Que fiz o meu melhor para elevar os outros, em vez de rebaixá-los.

Talvez seremos confrontados com um balanço pelo qual somos julgados após a morte, que pode ser um registro de como fizemos as pessoas se sentirem enquanto estávamos vivos, não quanto lucro acumulamos.

Dito de outra forma, tudo o que levamos conosco quando morremos é um somatório das experiências para as quais contribuímos durante nossa visita à Terra.

É uma boa ideia, mas é claro, não vou fazer nenhuma afirmação absoluta sobre o que acontece quando morremos.

Suponho que isso seja parte do mistério - ou da surpresa.

Por enquanto, estou contente em me sentir um pouco mais como uma turista a cada dia. Vou aproveitar minhas viagens aqui na Terra enquanto durarem, mas não vou me preocupar com o que vai acontecer depois.

É um grande Universo, e acho que não entendemos nem mesmo uma pequena fração dele ainda.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.