Header Ads

O que Realmente te Afasta da Felicidade?


Às vezes, você sai com amigos ou em um jantar e deseja estar completa e autenticamente presente. Mas você não consegue. Mentalmente, você está sob controle, pensando naquela pessoa que o irritou antes, ou naquela roupa nova que você quer comprar. E você está ignorando cegamente o que está na sua frente. Quando isso acontece, você está preso por (pelo menos) uma das três emoções venenosas de acordo com o budismo:

  • paixão
  • raiva ou
  • ignorância

Existe um belo texto budista, que remonta ao século XIV, conhecido como as 37 Práticas de um Bodhisattva. Bodhi pode ser traduzido do sânscrito como “aberto” ou “desperto”, enquanto sattva pode ser traduzido como “ser”, portanto é um ser de coração aberto. Um mestre da meditação conhecido como Ngulchu Thogme compôs esses versos para que pudéssemos viver uma vida plena com o coração aberto, a fim de sermos úteis aos que estão ao nosso redor e nos mostrarmos mais plenamente em nosso dia-a-dia. Ele tem um versículo que especificamente nos desencoraja de ceder a devaneios sem fim para que possamos viver uma vida baseada em estarmos presentes em tudo o que está acontecendo agora:

"A paixão pelos amigos se agita como água.
O ódio contra os inimigos queima como fogo.
Por meio da ignorância sombria, esquece-se o que adotar e o que rejeitar.
Abandonar a própria terra natal é a prática de um Bodhisattva."

Devo começar sendo muito claro: não há nada de errado em ter emoções. As emoções são fantásticas. Talvez você esteja saindo com alguém novo e sinta alegria. Ou talvez seu familiar esteja no hospital e você se sinta triste. Isso é cem por cento normal e bom. Mas é você realmente sentindo a emoção que é genuína e se baseia em estar presente.

Para a maioria de nós, nossas emoções ficam muito presas porque não nos permitimos sentir a emoção. Em vez de sentir, perpetuamos o enredo em torno da emoção. Por exemplo, você sai de férias e alguns dias depois decide verificar seu e-mail do trabalho. Naquele momento, você vê que algo saiu um pouco dos trilhos no trabalho, mas você não está por perto para consertar. Em vez de confiar em seus colegas de trabalho ou dar um telefonema rápido para oferecer algum conselho a um colega, você se senta na praia e fica pensando em possíveis cenários do tipo "e se". Há muita ansiedade. Agora, você poderia apenas reconhecer que se sente ansioso e deixar que a emoção flua através de você, mas você não sente a tendência de fazer isso e apenas continuar executando histórias em sua cabeça sobre o que poderia ou deveria ter acontecido. Assim, em vez de passar férias agradáveis, você ainda está mentalmente trabalhando.

Existe uma palavra tibetana para quando ficamos incrivelmente presos na linha da história em torno da paixão, raiva (no versículo referido como ódio) e ignorância, que é klesha. Klesha pode ser melhor traduzido como "emoções aflitivas". É a sensação de que, quando uma emoção forte o prende, sua mente fica fora de controle. Existem cinco maneiras principais de manifestar klesha; elas são um senso preso de:

  • Paixão ou Apego
  • Agressão
  • Ignorância (às vezes traduzida como preconceito)
  • Orgulho
  • Ciúmes

Você, provavelmente, já teve experiências com essas cinco emoções e sabe como pode ser doloroso quando elas o prendem. Ngulchu Thogme aponta para cenários específicos em seu verso. Ele menciona paixão pelos amigos, como quando você pode estar tão obcecado em sair com eles à noite que não está mentalmente sintonizado enquanto está no trabalho. Ou você pode não ter inimigos, mas tem pessoas com quem está batendo cabeça no trabalho e sua raiva e ódio o mantêm mentalmente no escritório quando você eventualmente sai para ver seus amigos. Da mesma forma, Ngulchu aponta que temos um senso natural de discernimento, mas isso fica turvo quando caímos na "obscura ignorância". Em outras palavras, pode ser paralisante se perder apenas em emoções paralisadas, em vez de estar presente com o que está bem na sua frente.

Para isso, Ngulchu Thogme oferece um conselho: abandone sua terra natal. Aqui, ele não está dizendo para desistir de sua casa ou apartamento, mas em vez disso, você deve desistir de sua terra natal mental habitual de emoções paralisadas. Na maior parte do dia, somos arrastados pela paixão, pela raiva, pelo orgulho, pelo preconceito, pelo ciúme. Se quisermos ter uma vida de felicidade e coração aberto, devemos abandonar essa tendência e apenas descansar com o que está bem à nossa frente. Isso pode se manifestar em realmente saborear nossa comida enquanto estamos almoçando, em vez de nos distanciarmos mentalmente. Pode ser verificar nosso corpo enquanto nos exercitamos, em vez de fumegar com raiva de alguém em nossa cabeça. O que quer que estejamos fazendo, devemos simplesmente estar abertos a isso, como exatamente é naquele momento.

Embora isso possa parecer um desafio, não é impossível de fazer. O treinamento básico para se conter antes de ser fisgado por emoções aflitivas é: prática de meditação. Quando estamos na almofada de meditação e uma emoção forte surge em sua mente, a primeira coisa a fazer é lembrar o que estamos fazendo: estamos aprendendo a estar presente com nossa demonstração emocional, e não ficar presos a ela. Naquele momento, em vez de perpetuar a história, reconhecemos isso totalmente e voltamos à nos concentrar na respiração.

Quanto mais você se permite sentir suas emoções, como elas são, mais você consegue enxergar seu caminho através delas de maneiras que são habilidosas e realmente úteis para você e para os outros. Se você puder abandonar a tendência de simplesmente se perder na história, deixando isso o mais rápido possível, e apenas estar presente com quaisquer sentimentos que surjam, mais você será capaz de se sintonizar em sua vida de uma forma que trará você maior contentamento e felicidade geral.


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.