Header Ads

O Budismo e as Redes Sociais


Houve muitos grandes professores na história da humanidade. Alguns são bem conhecidos por nós, como Maomé, Buda ou Jesus, mas muitos não são. Dentro das tradições budistas tibetanas, existem até professores que são bem respeitados e ainda reverenciados por sua sabedoria, como Jigme Lingpa ou Naropa, mas poucas pessoas aos olhos do público os conhecem. Mesmo que eles tivessem uma enorme sabedoria para compartilhar, seu acesso ao público em geral era limitado. Eles poderiam ensinar as pessoas que viviam perto deles, e talvez algumas pessoas pudessem ouvir falar de seu grande conhecimento e viajar para vê-los. Mas imagino que o número de pessoas que tiveram acesso à sua sabedoria estava na casa das centenas.

Hoje, alguém pode ter uma ideia - boa ou ruim - e, com alguns cliques no celular, compartilhá-la com milhares de pessoas. Embora tenham um público imediato maior, não estou falando de um político ou celebridade com milhões de seguidores; Estou falando de cidadãos comuns como você e eu, que postam em redes sociais e compartilham isso com outras pessoas até que seus efeitos em cascata estejam além da nossa imaginação. Em comparação com os grandes mestres que vieram antes de nós, podemos ou não ser tão sábios, mas nossa plataforma é exponencialmente maior. Por estar nas redes sociais, todos nós nos tornamos figuras públicas, para o bem ou para o mal.

Agora que todo mundo é uma figura pública, lembro-me do que o tio do meu super-herói favorito, o Homem-Aranha, gostava de dizer: “Com um grandes poderes vem uma grandes   responsabilidades.” Poder, neste caso, refere-se ao poder de exercer influência sobre os outros, o que é grande parte das mídias sociais, como testemunhado na eleição presidencial de 2018. Quer você esteja compartilhando notícias falsas/verdadeiras ou uma foto sua e de seu novo namorado, você está afetando simultaneamente seus amigos, que podem gostar desse conteúdo e ver a reação do seu ex - que fica realmente irritado com isso - além daquela pessoa que te odeia, que está secretamente te julgando por tudo que você faz. É uma grande influência que você pode não estar considerando em cada postagem. Dado este incrível poder que exercemos com nossos laptops e iPhones, precisamos usá-lo com responsabilidade. . . mas como?

O principal caminho para o uso responsável da mídia social é o mesmo caminho que geralmente recomendo para os novos meditadores: contemplamos por que estamos fazendo a coisa em primeiro lugar. Quando ofereço recursos de meditação às pessoas que estão começando a praticar a meditação, a primeira coisa que as incentivo a fazer é examinar sua motivação. Se não sabemos por que estamos fazendo algo, muitas vezes nossa inspiração cai rapidamente e não o faremos novamente. Se conhecermos nossa intenção, é muito mais provável que nos esforcemos para qualquer ato de uma maneira que nos deixe bem.

Antes de abrirmos o Facebook podemos contemplar nossa intenção: “Por que estou abrindo essa guia? É porque estou entediado com o trabalho e procuro escapar da sensação de tédio? Ou eu queria checar meu amigo, porque ele está sumido recentemente e eu quero ver se ele postou algo?” O primeiro pode nos levar a uma visualização infinita, e então surtar quando tivermos perdido meia hora. Este último demoraria dois minutos e nos levaria a uma ação mais hábil.

Tendo definido nossa intenção, podemos passar para o aspecto da atividade hábil. O Buda descreveu uma série de diretrizes sobre como nos comunicamos. No Vaca Sutta, ele disse que qualquer afirmação é bem falada se atender a estes critérios: “É falado na hora certa. É falado com verdade. É falado com carinho. É falado de maneira benéfica. É falado com uma mente de boa vontade. ”

Vamos observar isso e levar para algo que ele provavelmente não poderia ter previsto: as mídias sociais.

Em relação à boa vontade, podemos continuar a ver nossa intenção por trás de postar algo. Se temos algo legal acontecendo, nossa motivação para compartilhar as boas novas é resultado de um desejo de conectar e envolver genuinamente as pessoas em nossa vida? Ou será que irão pensar que estamos prosperando e nos saindo melhor do que eles? Se estivermos postando com boa vontade, o que significa que a intenção é conectar e beneficiar todas as partes, isso é um sinal de que podemos querer ir em frente e postar.

Os próximos fatores que podemos considerar ao compartilhar em nossas redes é se o que estamos postando é benéfico e afetuoso para os outros. Benéfico é um termo muito subjetivo, mas é baseado na ideia de que o que estamos compartilhando tem o objetivo de elevar ou educar outras pessoas, em vez de destruí-las. Particularmente hoje em dia, uma plataforma como o Facebook e Twitter  parecem ser locaisl para as pessoas postarem um monte de ideologia política, não tanto com a aparente intenção de iniciar um diálogo genuíno, mas para provar que seus pontos de vista estão certos, provocando pessoas que discordam para discutir com eles.

Quando percebemos esse tipo de retórica, pode ser uma boa ideia ficarmos longe. Embora Millicent Fenwick possa ter sido “de um certo tempo”, ela estava certa quando escreveu no Livro de Etiqueta da Vogue: “Uma das chaves para nossa definição atual de bom gosto é que é melhor ser gentil do que ser 'correto'.” Quando estamos interagindo com pessoas nas redes sociais, essa noção simples pode guiar nossa mão para que possamos construir pontes com pessoas das quais podemos discordar, em vez de queimá-las.

Agora podemos ver se o que estamos postando é verdadeiro. Hoje em dia, as pessoas parecem postar muitos dos momentos gloriosos da vida sem reconhecer a dor de cabeça que existe em cada um de nós. Essas pessoas que postam apenas as aparentemente intermináveis ​​boas novas de sua vida, sem momentos de reflexão, estão contribuindo para o que alguns podem chamar de “teatro do sucesso”. É a noção de que a vida de uma pessoa é lindamente curada a cada momento, com cada nova euforia sendo esmagada por um novo objetivo, os melhores amigos possíveis e uma vida de facilidade infinita e sem frustração. Para alguns de nós podemos ver isso e sentir o que os budistas, chamam de alegria solidária - um tipo de alegria que se experimenta ao testemunhar a alegria de outros - mas muitas vezes leva a sentimentos de ciúme e insuficiência.

Quando postarmos, pode valer a pena pensar se estamos compartilhando apenas o que é bom, enquanto ignoramos o que é ruim. Alguém que compartilha uma foto sua com o marido com a legenda “Sem dias ruins” ou “Sempre feliz e apaixonada” claramente não está sendo sincera. Mesmo nos casais mais bem combinados, há dias ruins. Naqueles dias, o amor, embora possa estar na paisagem emocional, é nublado por muitas emoções muito mais difíceis. Talvez uma legenda mais honesta seria “Apesar de nossas dificuldades e irritando um ao outro, nosso amor continua a se aprofundar”. Eu tenho uma teoria de que se as pessoas postassem honestamente sobre suas vidas, elas não apenas ganhariam o elevado número de “curtidas”, mas contribuiriam para uma maior conexão, mesmo offline.

O aspecto final do Vaca Sutta que gostaria de ressaltar é a ideia de postar na hora certa. Se estivermos sobrecarregados e procurando nos conectar com outras pessoas, podemos aprender rapidamente que a mídia social não é a melhor maneira de obter uma conexão íntima. Na verdade, postando “Pior dia de todos. Não posso acreditar.” pode render pouca ou nenhuma resposta, apenas nos faz  sentir ainda mais isolados. O “momento certo” para a mídia social pode ser quando estamos sentindo que queremos compartilhar notícias com um grande público, mas não estamos particularmente apegados à ideia de que teremos um contato significativo com eles.

O que me leva à ideia de que as redes sociais não são um substituto para a conexão humana. O chefe da linhagem Kagyu do budismo tibetano, Sua Santidade o Karmapa, disse certa vez: “Quando você está ferido, às vezes você só quer que alguém o abrace. Uma tela plana não pode segurar sua mão e compartilhar sua dor.” Não importa quantos comentários você receba sobre algo que postar, nunca será o mesmo que alguém te olhar nos olhos e dizer que você é amado.

As redes sociais tem a capacidade de nos conectar com muitas pessoas, então temos a responsabilidade de postar coisas que sejam verdadeiras, gentis, benéficas, oferecidas com boas intenções e compartilhadas no momento certo. Mas se não conseguirmos lidar com isso, ou não estivermos procurando nos conectar de maneira clara com outras pessoas, temos que fechar o laptop e ligar para um amigo. Como o Karmapa prosseguiu, “A internet coloca nossos relacionamentos nas   nuvens, mas precisamos viver nossos relacionamentos aqui na terra”.

Da próxima vez que você abrir suas redes sociais preferida, respire fundo. Pergunte a si mesmo: "Por que estou fazendo isso?" Veja se você pode definir uma intenção para o seu tempo na rede, incluindo a quantidade desejada de tempo que você gostaria de gastar nisso. Em seguida, entre nessa atividade enquanto, da melhor maneira possível, mantém essa intenção.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.